4 cuidados para a preservação de equipamentos hospitalares

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp

Equipamentos hospitalares são tecnologias que necessitam de cuidados constantes, a fim de garantir a vida útil e evitar danos precoces. Isso inclui: precauções de instalação, cuidados no manuseio e manutenções frequentes, sendo que todas essas tarefas devem ser bem programadas pelo gestor hospitalar.

A falta de cuidados para preservar a funcionalidade pode levá-los a manutenções corretivas constantes, aumentando os custos para manter a funcionalidade dos aparelhos e prejudicando os serviços ao paciente. Por isso, adotar práticas de preservação não onera a clínica ou hospital, pelo contrário, ajuda a conter custos e aumentar a qualidade no atendimento.

Para ajudar você nesse processo, listamos hoje 4 cuidados para a preservação de equipamentos hospitalares. Acompanhe!

1. Fazer transporte correto dos equipamentos hospitalares

Antes de transportar um equipamento, é importante avaliar as condições para essa atividade. O planejamento envolve a escolha do trajeto, análise da inclinação e textura do piso, verificação da altura da parede e o tipo de porta. Feito isso, comunique-se antecipadamente com os setores envolvidos e proponha um horário de menor movimento de funcionários e pacientes.

Escolha os colaboradores mais experientes e com maior força, explique como o equipamento deve ser transportado e quais são as condições que podem provocar danos às peças vitais.

2. Manter condições adequadas de funcionamento

Os equipamentos hospitalares necessitam de condições ambientais ideais. A instalação dessas tecnologias deve ser pensada considerando a luminosidade do ambiente, temperatura durante o ano, direção do fluxo de ar e condições de umidade.

Alguns equipamentos necessitam de condições específicas e devem ser avaliados quanto a isso. Consulte o manual do fabricante sempre que necessário para certificar-se dessas informações.

Para todas as variações ambientais, existem artefatos tecnológicos que monitoram as condições, e cabe ao engenheiro clínico tomar as devidas providências.

3. Elaborar procedimentos operacionais de manutenção

Procedimentos operacionais padronizados (POPs) são documentos elaborados por especialistas a fim de demonstrar o passo a passo de uma atividade. Os POPs servem para uniformizar a conduta dos colaboradores, auxiliar durante o treinamento das atividades e atualizar o conteúdo conforme o necessário.

Por isso, é importante descrever detalhadamente as peças do equipamento, suas funções, precauções para utilização e situações que necessitem de assistência técnica.

Esses documentos devem ser armazenados em locais de fácil acesso para facilitar a busca em caso de dúvidas.

4. Realizar manutenção preditiva das tecnologias

A manutenção corretiva acontece frequentemente quando não se adota o sistema de manutenção preditiva. Esta última é mais eficaz que a manutenção preventiva e gera menor custo, pois avalia as peças dos equipamentos relacionando-as com a sua vida útil. A finalidade é predizer em quanto tempo será recomendada alguma intervenção.

A manutenção preditiva de equipamentos hospitalares deve ser implantada de forma planejada, sem atrapalhar o fluxo de atendimento dos pacientes. Se essa etapa for vencida, é provável que a manutenção corretiva seja mínima ou nula.

Equipamentos hospitalares devem ser preservados para garantir um tempo de vida útil compatível com o seu investimento. Portanto, com esses cuidados simples e objetivos que apresentamos, a probabilidade de ocorrência de defeitos não esperados será menor, garantindo a funcionalidade ideal do equipamento.

Fonte: Thiago Bajur – Blog Arkmeds
Este conteúdo não é de responsabilidade da Biomig Brasil.